Rebocando trailer pela primeira vez

Acho legal escrever essa minha experiência, pois foi única e muito procurei materiais como estes na internet.

Compramos um trailer no Rio de Janeiro, sempre pensando em trazer ele para o Rio Grande do Sul (+-1500 km) .

Um KC 540 1989.

Eu nunca havia rebocado nada além de carretinha com moto (manobrei uma vez quando tinha 15 anos, na beira da praia, totalmente sem obstáculos).

Tentei contatar a maior quantidade de outros campistas com esta experiência para tentar entender como funcionava e me preparar para o feito.

Todos foram uníssonos: “É tranquilo, vai de boa”.

Então bora lá! Começamos por revisar o “novo” trailer (fabricado em 1989 e parado há mais de 6 anos num camping).

Pneus

Foi engraçado, pois dois deles ainda estavam em bom estado (ranhuras originais profundas – CWI), mas eu não encontrava a data de fogo deles, afim de ver a data de validade.

OBS.: Meu pai é um “tarado” no assunto pneus. Não anda em carro com pneus com mais de 5 anos de uso. Ele fala que nada adianta o estado se o pneu estiver fora da validade, que no caso é de 5 aninhos.

Procurei mais a fundo e achei o registro da fabricante com a seguinte indicação: “CGC 999.000…” kkkkk. Nem lembro quando parou de usar este termo, então a coisa é velha mesmo.

Palavra do espcecialista

O Sr. Candelária, persona muito conhecida no meio dos veículos de recreação, por trabalhar com reformas e transporte de trailers no final dos anos 80 ao início dos anos 2000, comentou com meu pai:

“que quando ia rebocando os trailers velhos, estacionados a muito tempo, os pneus iam estourando ao longo do caminho”.

Com essa informação eu bati martelo: vamos trocar todos pneus, sem arrego.

Andamos 70 km e paramos para trocar os pneus da viatura. Só aí confesso: foram 50% dos estresses embora. Só com a redução da possibilidade de furar um pneu por nada, a calma veio.

rebocar trailer
Foto tirada pela Lili, esposa do Beto.
Luzes: Nada de se espantar que tivesse alguma lâmpada queimada né.

Troquei algumas, testei o aterramento no engate e tudo certo.

manutenção trailer
Troca de lâmpadas da sinaleira do velho KC.
Freios: Aí o assunto é para um post especial. Logo faremos.

Primeiras impressões de um virgem no assunto:

  1. Tranquilo é, mas no começo é tenso.
  2. Tu olha pro lado e nota carreteiros puxando conjuntos com 30 metros e vê que o seu com 13 metros não é nada. Depois lembra que eles fazem isso todos os dias e desespera novamente por conta da ausência de experiência.
  3. O carro conta muito. Eu escolhi o veículo tracionador pelo trailer que tinha. Com pneus novos, conjunto de embreagem nova e toda revisada, ficamos mais tranquilos.
  4. O Beto. Quando decidimos que iríamos rebocar para o RS, tentei convencer meu pai (já aposentado e com tempo vago) a vir ajudar.

    Sei que não deu a tempo e não conseguimos combinar para ele vir.

    Daí me aparece o tal de Beto. Kombeiro, ex-mecânico e hoje, dono de uma retífica.

    Eu pensei: aí está, vou sugar o rapaz e perguntar tudo. No fim, foi a salvação. Ele me ajudou com toda parte de freios, rolamentos, etc.

  5. Calma: O pessoal me fala que viaja a 80 Km/h. Eu acho que nesse meu primeiro trecho, coloquei duas vezes esta velocidade. Me encontrei melhor com o número 70. Mas isso é de cada um.
  6. Subidas: Como todos (ou ao menos a maioria) pensamos que as subidas são piores.

    Teoricamente ali, quem é mais requisitado é o motor a caixa (nas arrancadas em terreno ingrime). Então toda fé no motorzão é o que resta.

  7. Descidas: Aí o bicho pega.  Em teoria, ajustamos os freios conforme o post do Marcos (MaCamp), mas né, quem garante.

    Eu fui beeeeeem na manha, para não ter sustos. Um amigo falou:  se tiver que acelerar em descidas, o freio inercial está funcionando.

    Na primeira descida achei estranho ter que acelerar tanto, mas depois lembrei da dica e fiquei mais tranquilo.


    Vou escrevendo aos poucos esta minha experiência pois por muito procurei na internet, liguei para pessoas, para tentar entender a maioria dos assuntos que tinha dúvida antes de rebocar pela primeira vez.

 

2 ideias sobre “Rebocando trailer pela primeira vez”

  1. Foi muito informativo seu comentário. Estou ainda pesquisando para comprar um trailler. Não cheguei a conclusão sobre tamanho , novo ou usado , modelo , nada ainda.

    1. Opa, que coisa boa!
      Este final de semana passada teve uma feira, em Novo Hamburgo. Dá uma olhada no Macamp.com.br, ele é nosso parceiro e é o lugar onde tem muuuuuita informação sobre trailismo.

      Abração,

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *